Ação de Saúde e Cidadania na Comunidade do Km 50

0

A Campanha de divulgação sobre a Hanseníase, na manhã de terça-feira, ocorreu na Unidade de Saúde da Família, Grande Esperança, no KM 50. As pessoas que chegaram para atividade foram surpreendidas com os balões que enfeitavam a Unidade, toda decorada para receber a comunidade em mais uma Ação de Saúde e Cidadania.

Na abertura da atividade, Jurandir Gomes, o coordenador de Controle e Avaliação da Secretaria de Saúde, falou em sua mensagem que a Hanseníase tem cura e que pode ser tratada antes de chegar ao estágio de atrofiar os membros.

A médica Raquel Samuelson também fez uma palestra em forma de conversa onde explicou de forma bem simples como é a doença e pediu para que as pessoas prestassem atenção nos seus possíveis sintomas, e caso visse alguma situação suspeita, que encaminhasse para o posto de saúde. “A Hanseníase (conhecida como lepra) quando identificada no começo pode ser tratada”, explicou Raquel. Mas ela fez questão de frisar que além da doença é preciso combater o preconceito, em relação as pessoas doentes. “Nós temos tratamento, mas infelizmente temos muitos casos aqui na Região. Ela é uma doença lenta e pode se manifestar até depois de 10 anos”, alertou a médica pedindo para que notarem que alguém apresenta alguma úlcera ou mancha na pele, que procure logo a Unidade de Saúde. “Nós temos condições de identificar e tratar”, concluiu.

A Ação de Saúde e Cidadania reuniu as equipes da Saúde e da Assistência Social da Secretaria Municipal de Trabalho e Promoção Social (SEMUTS). As Assistentes Sociais do CREAS e do CRAS, explicaram qual a diferença entre os dois serviços. “O CREAS é para atuar na defesa dos direitos infringidos e o CRAS atua na prevenção, para que as pessoas não percam esses direitos.

O CREAS atua nos casos de direitos das crianças, adolescentes, jovens e mulheres. Como situações de abuso doméstico, automutilaçaõ da juventude, enquanto o CRAS procura garantir os direitos aos Benefícios do Governo Federal como os encaminhamentos para que as pessoas em caso de vulnerabilidade possam acessar os seus direitos como o Bolsa Familia, o Benefício de Proteção Continuada (BPC) para pessoas acima de 70 e deficientes físicos, cheque moradia, cartão reforma, baixa tarifa social de energia elétrica e bolsa familia. “Todos estes benefícios são obtidos através do Cadastro Único (Cad Único) e do número do NIS (Número de Inscrição Social)” explicou a Assistente Social, Jéssica Naiara. Após as palestras ocorreu o sorteio de brindes para os participantes.

Compartilhar:

Os comentários estão fechados.

Acessibilidade